Sobre nós

Mais que uma ação social, mais que trabalho, uma missão!

Histórico

O Projeto Criança Feliz – Associação Cristã de Proteção à Criança, é uma entidade sem fins lucrativos, criada de acordo com as leis do país, com a finalidade de amparar crianças em situação de risco ou com violação de direitos..

Nasceu em 1998, na residência de sua fundadora, D. Zilda Atanazin, onde ficou por algum tempo.  Em Setembro de 2001 por motivo de saúde D. Zilda deixou a Instituição, transferindo-se mais tarde para a cidade de Borborema, onde reside ate esta data. Foi então que um grupo, que do Projeto tinha se aproximado, acabou por levar o sonho de D. Zilda adiante.

Graças ao desprendimento e determinação do novo grupo, a Instituição logrou, finalmente, alcançar a razoável estabilidade de que hoje desfruta.

Em 2002 a Instituição recebeu em doação da municipalidade um terreno no Jardim Paineiras I.

O terreno foi registrado em Outubro de 2003. Os meses seguintes foram ocupados no projeto para construção.

 

Em 2005 a construção foi iniciada sob a responsabilidade do engenheiro Sr. Naim Abrão Alem Neto que com a ajuda de empresários da cidade  concluiu a obra no mês de abril de 2007, cuja inauguração oficial foi marcada para o dia 12 de outubro do mesmo ano.

Uma significativa parcela da população Ibitinguense, preocupada com os graves problemas que tem atingido nosso povo, especialmente crianças e adolescentes, entendeu que devia unir-se para dar continuidade á associação que atuasse na área de amparo a crianças em situação de risco. Tristes estatísticas do Poder Judiciário local podem confirmar a carência a que nos referimos. Nossa entidade atua na garantia de direitos, atendendo crianças e adolescentes de 0 a 17 anos ambos os sexos, encaminhados judicialmente pelas comarcas de Ibitinga, Itápolis, Iacanga, Borborema, Urupês ou emergencialmente através do Conselho Tutelar dos respectivos municípios.

Diante da complexidade das Relações Sócio-econômicas que marcam o século XXI, em que as desigualdades acentuam os problemas sociais, entende-se que é necessário unir ações de órgãos e instituições governamentais (incluindo famílias), no sentido de minimizá-las.

O Projeto Criança Feliz realiza um trabalho com ênfase ao desenvolvimento social em regime de 24 horas na modalidade - Acolhimento Institucional.

Abrigo

O PROJETO CRIANÇA FELIZ é um Abrigo mantido pela Associação Cristã de Proteção à Criança, sua capacidade de atendimento é para 25 (vinte e cinco) crianças de zero a 18 anos, que são encaminhadas pelo Juizado da Infância e da Juventude e/ou Conselhos Tutelares da Comarca de Ibitinga e região (Tabatinga, Iacanga e Borborema), motivados por situações de risco e violação de direitos.

A Entidade desde 1998 vem atuando na área, acolhendo crianças e adolescentes da que são vitimizadas, por meio de suas histórias de vida marcadas pelo abandono, maus tratos, abuso sexual, uso abusivo de drogas por parte de familiares.

A convivência familiar e comunitária direito fundamentalmente que vem sendo violado é retrato de um Brasil real, onde um enorme contingente de famílias, por razões históricas e estruturais, sobretudo devido ao profundo impacto das transformações sociais e econômicas das últimas décadas, enfrenta grande dificuldade em assumir e exercer adequadamente sua função social mais importante, a de criar e educar os próprios filhos e filhas. Família tantas vezes abandonada e vitimizada, submetida à violência estrutural, que se traduz em precaríssimas condições de vida, na falta do alimento, da moradia, da educação de qualidade, do trabalho, da saúde, enfim, na impossibilidade de acesso aos bens fundamentais que, numa sociedade urbana e contemporânea como a nossa, definem uma existência minimamente digna. Credora de direitos e em estado de subcidadania, investir nessa família, descobrir e resgatar o seu valor é a condição essencial e primeira à garantia dos direitos das crianças e adolescentes.

Em suma o serviço de acolhimento constitui-se na aproximação e vinculação a outros serviços, bem como a reintegração com a família, primando pelos direitos estabelecidos pelo ECA, LOAS e Constituição.

Objetivos do serviço de acolhimento

O Projeto Criança Feliz tem como objetivo abrigar, oferecer um lar provisório 24 horas ininterruptas e dar toda assistência necessária crianças/adolescentes de ambos os sexos em situação de risco ou violação de direitos, vítimas de maus tratos e violência muitas vezes dentro da própria casa, todas encaminhadas Via Poder Judiciário ou Conselho Tutelar de Ibitinga, Comarca e região.

Entendendo  como medida de proteção  aquela que indique o afastamento da criança ou do adolescente de seu contexto familiar, podendo ocasionar suspensão temporária ou ruptura dos vínculos atuais, deve ser uma medida rara, fora do comum, excepcional, pois a convivência familiar e comunitária é direito fundamental de toda criança e de toda e todo adolescente. Nossa missão visa à humanização e a socialização de crianças e adolescentes proporcionando um espaço ideal e privilegiado ao desenvolvimento integral dos indivíduos atendidos.

Seguindo as coordenadas das propostas existentes no tocante ao re-ordenamento institucional, é que primamos pela qualidade no atendimento à criança submetida à medida de proteção, ‘abrigo’. (Inciso IV Art. 90/ECA)

A partir do momento em que a criança chega ao serviço de acolhimento, os profissionais iniciam um trabalho, conjunto com demais programas de apoio sócio-familiar do Município, para orientar e oferecer instrumentos de forma que a família descubra-se potencialmente capaz de garantir o retorno da criança, desde que estejam seus direitos assegurados. Mas este trabalho demanda tempo e investimento, pois as transformações nas dinâmicas familiares não ocorrem rapidamente. Concomitante a isso, durante o período de permanência no serviço, as crianças e adolescentes recebem suporte profissional para minimizar os efeitos da medida, considerando a vinculação afetiva.

Enquanto o acolhimento familiar - seja na família de origem ou numa substituta na modalidade adoção - não é definido pelas instâncias judiciais, é imperioso que a criança tenha um referencial positivo dos cuidados físico e emocional. E, atentando para o significado do verbete ACOLHER: 1. dar acolhida a; 2. atender; 3. aceitar; 4. abrigar-se, refugiar-se - Adj. Acolhedor. (Dicionário Ediouro da Língua Portuguesa, 2001), sabe-se que a sua “essência” é significativamente ... MAIOR.

 Atuamos como medida de proteção, garantindo seus direitos para que tenha uma infância saudável e se desenvolva em todos os aspectos físico, mental, emocional.

 Investindo em ações que permitam o retorno das crianças e adolescentes as suas famílias de origem e acompanhando os familiares de forma paralela aos programas de apoio e orientação sócio-familiar.

 Pautando ações com base na legislação específica que se garanta a política da proteção integral especial de alta complexidade.

© 2020 by Agência Ide

  • White Instagram Icon
  • White Facebook Icon